Falta de patrocínio: Até quando?

Esporte maringaense enfrenta dificuldade de disputar competições nacionais

A cidade de Maringá possui bons times, mas sempre tem dificuldade para disputar campeonatos fora do estado, pois falta apoio financeiro por parte da iniciativa privada e pública. Um exemplo de que o esporte deixa a desejar é o fato dos atletas maringaenses só se tornarem destaques nacionais quando vão jogar em times de outras cidades.

Maringá já disputou torneios nacionais em diversas modalidades, seja no futebol de campo, no vôlei ou futsal, mas hoje em dia o esporte maringaense anda esquecido. O apoio é mínimo e em muitos casos é praticamente inexistente. Graças a isso, os times e atletas precisam fazer alguns “milagres” para continuar na ativa.

O time de vôlei é um exemplo disso. No ano passado conseguiu participar da Superliga, com o apoio de algumas empresas da cidade, mas neste ano a falta de patrocínio fez com que o time pedisse um afastamento da competição nacional. Mesmo com o titulo dos Jogos Abertos do Paraná e do Campeonato Estadual, a equipe não conseguiu o apoio necessário para garantir a sua participação. Outro time que foi bem é o Ciagym/Maringá de futsal, que mesmo sem muito apoio conseguiu ser vice-campeão Estadual e também o terceiro lugar nos Jogos Abertos do Paraná.

Um dos motivos para Maringá enfrentar dificuldades todo ano na montagem de equipe é justamente a falta de patrocinadores e de empresários da cidade dispostos a investir no esporte da cidade. “Teria de fazer uma discussão, chamar os empresários, e expor o as vantagens e falar do retorno que isso dá, em nível nacional, para que eles possam investir nesses esportes amadores, que dão mais retorno que o futebol”, afirmou o secretário de Esportes, Márcio Stábile

A prefeitura por meio da Lei de Incentivo ao Esporte repassa parte dos impostos para as associações esportivas da cidade, ajudando assim a manter o esporte da cidade, mesmo sem patrocínio de outros setores. “A prefeitura faz a parte dela, ela fornece espaço e ela repassa recursos para a formação de atletas” afirmou Stábile.

Maringá, que já foi destaque no cenário nacional do futebol – na época do glorioso Grêmio Maringá -, passa por uma situação difícil. O time da cidade, o Galo/Adap, é mais um reflexo da falta de apoio às equipes maringaenses. A equipe pediu afastamento do Campeonato Paranaense devido à falta de patrocinadores, o que pegou muita gente de surpresa e, inclusive, gerou revolta entre a torcida da cidade. O Secretário de Esportes afirmou que também não esperava, pois estava aguardando a direção da equipe pra definir a utilização do estádio Willie Davids no campeonato estadual.

Para o estudante e torcedor maringaense, Felipe Botion, a ausência do time de futebol foi bastante sentida. ”Eu fiquei triste, Maringá é uma cidade com tradição no futebol, tricampeã do estado, não pode ficar sem um time de futebol”, afirmou o estudante. Ele acha ainda que as empresas da cidade têm medo de “gastar” dinheiro com qualquer tipo de esporte, já que elas visam somente o lucro, e dependendo do esporte esse lucro seria pouco, ou demoraria muito a aparecer.

“Eu vejo alguns empresários que não pensam no esporte da cidade, em ajudar a cidade de alguma maneira, o que não falta é empresário que tem dinheiro para investir em esporte, mas acho que eles não acham interessante”, afirmou Carlos Emori Júnior, torcedor.

Alguns atletas precisam sair da cidade para continuar no esporte e, em alguns casos, esses atletas acabam se tornando destaques nacionais. Foi o que aconteceu com o jogador de vôlei, Robinson Dvoranen, que hoje defende as cores da Ulbra na Superliga de Vôlei. Outro atleta que deixou a cidade para continuar no esporte foi o também jogador de vôlei, Fernando Mari, que acabou indo para a Europa, disputar o campeonato português pelo time do Esmoriz. Os dois atletas começaram no vôlei por aqui, mas tiveram de sair da cidade para conseguir algo melhor para a carreira. O caso de Fernando é mais recente. Ele saiu da equipe após a conquista do título estadual deste ano.

Fernando Mari é meio de rede e participou das conquistas dos Campeonatos Estaduais do ano passado e deste ano, e do título dos Jogos Abertos do Brasil também este ano. “A nossa cidade sofre com a falta de investidores, porém não é somente esse o problema, acho que falta um apoio daqueles que tem a verdadeira responsabilidade com isso, ou seja, Prefeitura, Governo do Estado. Se o Poder Público não ajuda e não vai atrás, qual é a credibilidade que é passada para um investidor? Sendo que nem aqueles que têm a “obrigação” de ajudar não colaboram”, afirmou o jogador que passou boa parte de sua carreira defendendo as cores de Maringá.

Mesmo com tantas dificuldades, os times maringaenses geralmente superam os problemas e estão se firmando cada vez mais como destaques no estado, com conquistas consecutivas dos campeonatos estaduais, como no caso do vôlei e do handebol. Além disso, “brigam” por um lugar ao sol no cenário nacional, coisa que os times ainda não têm conseguido.

por Zuba Ortiz

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s