Penapolense perde para o Batatais e assume a lanterna do Grupo 1

Os dois times de fora da zona de classificação do Grupo 1 se enfrentaram pela 10ª rodada da Copa Paulista, Batatais e Penapolense mostraram em campo o motivo da campanha das duas equipes, num jogo com poucas chances, o Batatais venceu por 2 a 0 e deixou a lanterna com o time do Penapolense.

Com a vitória, o time de Batatais ainda sonha com a classificação, já que chegou aos 5 pontos e tem 4 a menos que o Novorizontino, já o CAP continuou com 4 pontos e praticamente deu adeus as chances de classificação.

Deu sono

Jogando em casa, o Batatais tentou dominar a partida e foi ao ataque com mais perigo. Mesmo assim, as chances não foram tão claras e poucas vezes o goleiro do CAP trabalhou.

Sem ter muita criatividade no meio campo, o time da casa abusava das bolas lançadas na área, sem nenhum efeito.

Já o Penapolense tentava usar os contra-ataques para assustar o time da casa, mas sem nenhum perigo ao goleiro mandante.

Emoção e vitória do Fantasma

Com um segundo tempo um pouco mais animado, o CAP quase abriu o placar, Marcos fez boa jogada e a bola bateu no braço do zagueiro do time da casa. No pênalti, Kesley deu uma cavadinha e viu o goleiro defender a cobrança. No contra-ataque, Wellington aproveitou a chance e fez 1 a 0 para o time da casa.

Com o resultado, o Penapolense praticamente dava adeus às chances de classificação, com isso, o time se lançou ao ataque em busca do empate, mas não conseguiram fazer o gol. Aproveitando esse espaço, o Batatais chegou ao segundo gol com Thales que fez um golaço e deu números finais à partida.

Próximo jogo

O Penapolense volta a campo na próxima quarta-feira (12) quando recebe o Olímpia, às 20 horas, no Tenentão.  

Mais uma! Penapolense perde para o Votuporanguense por 2 a 0

Na abertura do returno da Copa Paulista, o Penapolense recebeu o Votuporanguense e acabou derrotado, nesta sexta-feira, por 2 a 0, com gols de Bruno Baio e Léo Aquino.

Com a vitória, o CAV chegou aos 12 pontos e assumiu a vice-liderança do Grupo 1, com 1 ponto a menos que o Olímpia – que ainda entra em campo neste final de semana. Completam o G4, o Mirassol com dez pontos e o Novorizontino com cinco – o CAP é o 5º colocado com 4 pontos e o Batatais é o lanterna com apenas um ponto ganho.

Sem esforço

Jogando fora de casa, o Votuporanguense se sentiu à vontade e não teve muito trabalho para mostrar sua superioridade. Aos 10 minutos, Léo Aquino aproveitou uma falta próxima à área e bateu forte, sem chances para o goleiro Paes, que ainda viu a barreira abrir, tirando qualquer chance de defesa do arqueiro.

Com a vantagem no placar, o CAV continuou melhor e viu o Penapolense totalmente perdido em campo, sem conseguir passar do meio campo. E o segundo gol surgiu aos 17 minutos, Kennedy fez boa jogada e tocou para Bruno Baio, que ganhou da defesa e bateu sem chances para o goleiro, fazendo 2 a 0.

Depois de sofrer o segundo gol, o CAP tentou criar chances, mas parava na boa marcação do time visitante e também nos erros de passe do seus jogadores. Antes do apito final do primeiro tempo, o Votuporanguense ainda teve três boas chances, que pararam no goleiro Paes.

Segurando o resultado

Em desvantagem, o Penapolense tentou voltar mais ofensivo para a segunda etapa, mas continuava parando nos próprios erros e pouco ameaçava o goleiro visitante. Já o CAV segurava a bola e fazia o tempo correr, garantindo mais uma vitória.

Aos 17 minutos, o CAP chegou a assustar, Wellington Melo recebeu dentro da área e tentou um voleio, mas a bola saiu na linha lateral. Depois foi a vez de Fandinho aproveitar cruzamento e assustar o goleiro visitante. Já no finalzinho, Kennedy recebeu passe de Bruno Baio e por pouco não fez o terceiro dos visitantes.

Próximo jogo

O Penapolense volta a campo no dia 9 de setembro, em Batatais, às 10 horas, para enfrentar o time da casa.

Felipe Fumaça brilha e Olímpia vence o Penapolense por 3 a 0

O Olímpia recebeu o Penapolense nesta quarta-feira (12) e fez muito bem o dever de casa, venceu e convenceu. O time da casa fez 3 a 0 com três gols de Felipe Fumaça – o atacante entrou ainda no primeiro tempo por conta de uma lesão de um companheiro.

Com a vitória, o time da casa assumiu na liderança do Grupo 1, já o CAP ficou com o 5º lugar, fora da zona de classificação.

Olímpia aperta, mas CAP segura o empate

Jogando em casa, o Olímpia tinha que tomar as rédeas da partida, enquanto isso, o CAP buscava se segurar na defesa e apostar nos contra-ataques.

A primeira boa chance aconteceu aos 20 minutos, quando Norton acertou belo chute, tirando tinta do travessão do goleiro Paes. Pouco depois, Max Pardalzinho teve boa chance, mas foi travado na hora do chute. Na sequência, Pará apareceu sozinho, mas cabeceou fraco, facilitando a defesa do goleiro capeano.

A primeira boa chance do CAP foi aos 32, quando Teles bateu forte e obrigou o goleiro a fazer ótima defesa. O time da casa chegou até a abrir o placar aos 40 minutos, mas Lucas Pará estava impedido e o gol foi anulado pelo assistente.

Fumaça aparece e Olímpia garante a vitória

Depois do intervalo, o time da casa não demorou para tirar o zero do placar. Felipe Fumaça aproveitou o rebote e fez 1 a 0 aos 3 minutos. E não deu nem tempo da torcida da casa acabar de vibrar, de novo, Felipe Fumaça apareceu, aos 6 minutos, fazendo 2 a 0.

Em desvantagem no placar, o Penapolense se lançou ao ataque e criou ótima chance aos 15 minutos, quando Jadson saiu cara a cara e viu o goleiro do time da casa fazer excelente defesa.

Com 2 a 0 a seu favor, o Olímpia passou a explorar os contra-ataques, foi assim que saiu o terceiro gol de Felipe Fumaça, aos 21 minutos, dando números finais à partida.

Próximo jogo

O Penapolense volta a campo no próximo domingo, às 10 horas, para enfrentar o Novorizontino, fora de casa.

Na estreia em casa, Penapolense vence Batatais nos minutos finais

Na noite desta sexta-feira (10), o Penapolense conseguiu a primeira vitória nesta Copa Paulista, o time fez 3 a 2 diante do Batatais e garantiu os primeiros três pontos na competição.

Com a vitória, o time de Penápolis chegou ao 4º lugar do grupo, enquanto isso, o Batatais continua sem pontuar na Copa Paulista.

CAP aperta e sai na frente

Jogando em casa, o Penapolense abriu o placar logo aos 4 minutos de jogo com Fandinho – que estava retornando ao clube – e que deu um certo alivio para o torcedor capeano fazendo 1 a 0.

Depois do gol, os dois times continuaram buscando o gol, com o CAP melhor, mas criar oportunidade clara para ampliar. Já o Batatais se segurava e buscava os contra-ataques.

Batatais assusta e CAP vence no finalzinho

Depois do intervalo o jogo mudou, o Batatais pressionou e conseguiu o gol aos 4 minutos, Douglas Pote tirou do goleiro para deixar tudo igual no Tenentão.

Com o empate, os dois times foram para o ataque, mas paravam nas falhas individuais e na marcação da equipe adversária.

O cenário começou a mudar aos 42 minutos, quando Wellington Melo cobrou pênalti e fez 2 a 1 para o CAP, na comemoração, o atacante levou o segundo cartão amarelo e deixou o time da casa com 10 jogadores.

Quando parecia que a vitória era do Penapolense, o zagueiro Salazar apareceu sozinho, aos 45 minutos, no meio da área e deixou tudo igual e fazendo 2 a 2. Mas os minutos finais ainda guardavam emoções, e aos 48 minutos, Jadson cobrou pênalti e fez 3 a 2, dando a vitória para o CAP.

Próximo jogo

O Penapolense volta a campo na próxima quarta-feira (12) para enfrentar o Olímpia, fora de casa, às 20h.

Penapolense vacila e empata em casa com a Inter de Limeira

0002050294686_img.jpg

Penapolense e Inter de Limeira ficaram no 2 a 2 no Tenentão (Foto: João Vitor Fedato)

Jogando pela sétima rodada da primeira fase da Série A2, o Penapolense recebeu a Inter de Limeira no Tenentão, no único jogo dessa terça-feira de carnaval (13), e empatou por 2 a 2. Os gols do CAP foram marcados por Matheus Humberto e Branquinho, Moisés e Tom empataram para o time de Limeira. O time comandado por Thiago Olivera estava garantindo a liderança até o finalzinho da partida, quando sofreu o gol de empate e acabou ficando com a vice-liderança.

Com o empate, o CAP chegou aos 14 pontos e assumiu a vice-liderança, já a Inter foi a 11 pontos e está na 5ª posição.

Muita chuva e empate no placar

Debaixo de muita chuva, o Penapolense sofreu para encontrar sua forma de jogar e sofreu muito no começo da partida. Já a Inter de Limeira conseguiu entender melhor o estado do gramado e acabou ditando o ritmo no início da partida.

Enquanto o time visitante explorava as laterais e os cruzamentos na área, o CAP se segurava lá atrás e apostava nos contra-ataques para tirar o zero do placar.

Depois de duas boas chances dos visitantes com Moisés e Tom, o Penapolense conseguiu equilibrar a partida e partiu para o ataque. Ainda assim, a chance mais clara foi da Inter, aos 30 minutos, quando Éder Paulista acertou belo chute e viu Velloso fazer a primeira grande defesa da noite, evitando o gol.

E fazendo valer o velho ditado do futebol, aos 33 minutos, Matheus Humberto havia acabou de entrar no lugar do machucado Gersimar, apareceu de cabeça para abrir o marcador no Tenentão, para a alegria da torcida capeana, fazendo 1 a 0 para o Penapolense.

Atrás do placar, a Inter partiu para o ataque no final do primeiro tempo e conseguiu o empate aos 40 minutos, com Moisés, após cruzamento de Vinícius Pedalada, deixando tudo igual em Penápolis, 1 a 1.

Gol no final tira a liderança do CAP

Depois do intervalo as duas equipe voltaram em busca da vitória, mas tudo continuou igual ao primeiro tempo. A primeira grande chance veio com Zé Mateus, que obrigou Velloso a fazer a segunda bela defesa da noite e evitar a virada da Inter.

O time da casa trocava passes, mas tinha muita dificuldade de criar boas chances de gol. O cenário mudou aos 21 minutos, quando Jussandro encontrou Branquinho na entrada da área, o camisa 10 bateu colocado sem chances para o goleiro, fazendo 2 a 1 para o Penapolense.

Em vantagem no placar, o CAP voltou a se fechar e explorar os contra-ataques. Num lance, o volante Felipe Alves sentiu a lesão, mas o Penapolense já havia feito as três alterações – o time da casa ficou com um a menos tentando segurar a pressão do time de Limeira.

De tanto insistir, a Inter conseguiu o empate aos 40 minutos, Tom bateu forte, a bola desviou na zaga e enganou o goleiro Velloso, deixando tudo igual no Tenente Carriço, 2 a 2.

Com um homem a mais, a Inter bem que tentou sair de Penápolis com a vitória, mas o time da casa conseguiu se segurar e se manteve no G4.

Próximo jogo

O Penapolense volta a campo no próximo fim de semana, o time vai até Piracicaba, no sábado, enfrentar o XV, às 17 horas.

Penapolense empata com Noroeste em jogo-treino

 

jogo treino edit.jpg

CAP ficou no 0 a 0 com o Noroeste no primeiro jogo-treino da pré-temporada (Foto: Assessoria/CA Penapolense)

Neste sábado (16), o Penapolense recebeu o Noroeste/SP no estádio Tenente Carriço para o primeiro jogo da pré-temporada, visando a preparação para a Série A2 do Paulistão. Jogando embaixo de um forte sol e muito calor, os dois times bem que tentaram, mas não saíram do 0 a 0.

O time de Penápolis terá mais amistosos e jogos-treinos até a estreia na Série A2, no dia 17 de janeiro, em Penápolis, diante do Sertãozinho.

Para esse primeiro teste, o técnico Thiago Oliveira colocou em campo: Thiago Passos, Grafite, Marcelo, Nandinho e Denis; Felipe Alves, Tauã, Renato Xavier e Yamada; Love e Everton Sena. No decorrer do jogo foram feitas diversas alterações até para ritmo de jogo aos demais atletas do elenco.

nilo edit

Nilo chega do Espírito Santo para ser o homem gol do Penapolense (Foto: Divulgação)

Nilo e Geovane reforçam o ataque do CAP

Buscando fechar 25 jogadores para a disputa da Série A2, o Penapolense anunciou mais dois reforços para o ataque. Trata-se de Nilo, que estava no Espírito Santo e disputou a Série D pela equipe capixaba e Geovanne, que estava no Itabaiana/SE, mas já defendeu o São Caetano/SP, Mogi Mirim/SP e Náutico/PE.

Com as novas contratações, confira como está o elenco atualizado do Penapolense para a Série A2:

Goleiro:
Thiago Passos (ex-São Caetano/SP)
Velloso (ex-Novorizontino/SP)

Laterais:
Grafite (ex-Caldense/MG)
Dênis (ex-Guarani/SP)

Zagueiro:
Nino Santos (ex-futebol árabe)
Felipe Barros (remanescente)
Marcelo Bispo (ex-Linense/SP)
Thiago Gasparetto (ex- São Bernardo/SP)
Nandinho (não informado)

Volantes:
Renato (ex- Jataíense/GO)
Cleberson (remanescente)
Carlos Coppetti (ex-São Caetano/SP)
Felipe Alves (ex-América de Natal/RN)

Meias:
Erik Mamadeira (ex-São Bento/SP)
Lucas Mineiro (ex-Tombense/MG)
Yamada (ex-União Barbarense/SP)
Everton Sena (ex-Água Santa/SP)
Renato Xavier (ex-Anapolina/GO)

Atacantes:
Diego Lira (ex- Goiânia/GO)
Leandro Love (remanescente)
Malaquias (ex-Guarani/SP e Bragantino/SP)
Tauã (ex-Tombense/MG)
Geovane (ex-Itabaiana/SE)
Nilo (ex-Espírito Santo/ES)

Penapolense contrata mais três jogadores e perde Samuel Pires para o XV de Piracicaba

samuca edit.jpg

Samuel Pires brilhou na campanha de 2014 e era um dos ídolos da torcida (Foto: Divulgação)

O Clube Atlético Penapolense continua se reforçando para a disputa da Série A2 do Campeonato Paulista de 2018. Depois de apresentar parte do elenco, o time ainda busca peças para fechar o time que irá tentar o acesso à elite do futebol paulista no próximo ano.

Foram apresentados o atacante Tauã e o meio campista Lucas Mineiro, ambos estavam no Tombense/MG. Além deles, o time também ganhou o reforço de Carlos Coppetti, volante, que estava no São Caetano/SP, mas disputou a Série A2 deste ano com a camisa do Batatais/SP.

A má notícia fica por conta da saída do goleiro Samuel Pires, que era um dos ídolos da torcida capeana e que acertou com o XV de Piracicaba para a disputa da Série A2. Além disso, o atacante Jefferson Maranhão que já estava treinando com elenco acabou se desligando e não faz mais parte do time para o próximo ano.

Confira como está o elenco atualizado do CAP para a Série A2:

Goleiro:
Thiago Passos (ex-São Caetano/SP)
Velloso (ex-Novorizontino/SP)

Laterais:
Grafite (ex-Caldense/MG)
Dênis (ex-Guarani/SP)

Zagueiro:
Nino Santos (ex-futebol árabe)
Felipe Barros (remanescente)
Marcelo Bispo (ex-Linense/SP)
Thiago Gasparetto (ex- São Bernardo/SP)

Volantes:
Renato (ex- Jataíense/GO)
Cleberson (remanescente)
Carlos Coppetti (ex-São Caetano/SP)

Meias:
Erik Mamadeira (ex-São Bento/SP)
Lucas Mineiro (ex-Tombense/MG)

Atacantes:
Diego Lira (ex- Goiânia/GO)
Leandro Love (remanescente)
Malaquias (ex-Guarani/SP e Bragantino/SP)
Tauã (ex-Tombense/MG)

Penapolense empata com Sertãozinho e se distancia do G4

penapolense.jpg

Penapolense ficou no empate com o Sertãozinho e tem chances remotas de ir à semifinal (Foto: Silas Reche/ C.A. Penapolense)

Nesta quarta-feira (12), Penapolense e Sertãozinho jogaram pela 17ª rodada da Série A2 em busca de uma vaga no G4. E o resultado foi péssimo para as duas equipes. O empate em 1 a 1 fez com que as duas equipes chegassem aos 24 pontos, 4 a menos que o Batatais que está na 4ª posição.

O time de Penápolis está a quatro jogos sem vencer e continua na parte intermediária na tabela, atualmente está na 8ª posição. Já o Sertãozinho também chegou aos 24 pontos e é o 7º colocado, por ter uma vitória a mais. Os dois times também estão 4 pontos acima do Z6, o primeiro da zona de degola é o Barretos, com 20 pontos, na 15ª posição.

Pressão e vantagem no intervalo

Vindo de 3 jogos sem vitória, o Penapolense começou no ataque e viu Fio escapar pela esquerda e cruzar para bota defesa do goleiro Márcio. Com os minutos passando, o Sertãozinho começou a equilibrar a partida, mas ainda via o CAP ter as melhores chances.

Primeira grande chance foi com André Cunha que foi travado na hora de finalizar. Depois Leandro Love arriscou de fora da área e viu o goleiro visitante fazer ótima defesa.

Aos 29, Altino bateu a falta e Márcio mais uma vez defendeu e botou para escanteio. Na cobrança, Altino encontrou Joílson, dentro da área, que só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

Em vantagem, o time da casa desacelerou o jogo, mas não sofreu pressão do time do Sertãozinho até o apito do intervalo, garantindo a vitória na primeira etapa.

Barboza empata e acaba com “sonho”

O segundo tempo começou diferente, o Sertãozinho foi para o ataque e conseguiu o empate logo aos 9 minutos, com Barboza, depois de falha da defesa capeana.

Diferente do primeiro tempo, o jogo estava muito mais equilibrado e o Penapolense demorou para se encontrar depois de sofrer o empate.

O CAP ainda teve chance de ficar na frente, Leandro Love tocou para André Cunha, que bateu rente a trave. O Sertãozinho chegou de novo com Luciano Sorriso, em ótima cobrança de falta, mas Samuel Pires fez boa defesa.

No final da partida, o Sertãozinho se mostrava melhor e mais perto de chegar ao gol, a torcida capeana não perdoou e começou a vaiar os jogadores.

Próximos jogos

Os dois times voltam a campo no próximo domingo, às 10 horas, pela penúltima rodada da Série A2. O Penapolense recebe o Bragantino, no Tenentão. Já o Sertãozinho recebe o Mogi Mirim, em casa.

[Crônica] Um Paulistão e um Penapolense

Depois de um 2013 que ficou para a história de todo torcedor Penapolense, o 2014 começou pouco animador. Primeiro, os reforços não eram os esperados e o treinador não era unanimidade. Pelo contrário, já tinha feito uma campanha fraca na Série D em 2013 e não conseguia fazer o time jogar em 2014. Graças à pressão da torcida e ao futebol apresentado na pré-temporada, o antigo treinador deu lugar a Narciso, que, sem dirigir nenhuma equipe principal em São Paulo, acabou aceitando a oportunidade de tentar fazer história com a equipe de Penápolis.

O começo do Paulistão estava longe de empolgar. No domingo da estreia, o plano era almoçar na Vila Madalena com o Campos e ir para casa acompanhar o jogo. No fim das contas, o plano mudou: ficamos no Quitandinha aporrinhando o garçom para ele colocar no jogo e, quando ele resolveu colocar, já estava 1 a 0 para o Oeste. O placar se manteve o mesmo até o apito final. Mas a parte mais engraçada do domingo foi o CAP cruzando as barreiras do Brasil; acabei fazendo com que dois portugueses e um russo torcessem pelo time de Penápolis. Todos bêbados, diga-se de passagem.

Depois da derrota na estreia, o time tinha a primeira partida em casa diante do Bragantino; no mesmo dia também tinha outra decisão: era dia de banca de TCC da pós. Diferente do resultado da banca e da aprovação, o Penapolense novamente foi mal e acabou perdendo por 2 a 0. Entre uma apresentação e outra, uma nota e outra, sempre uma olhada no celular para conferir o tempo e o placar. E os dois saíram no final do jogo, aumentando a raiva e misturando os sentimentos.

Pela terceira rodada, o time foi até Rio Claro enfrentar o time da casa. Antes da partida, foi hora de ir até Guarulhos levar o Campos para a tão sonhada viagem dele pra Europa e na volta a preocupação era uma só: “será que chego antes do jogo começar?”, “o GPS diz que chego até as 16h00”. E como sempre, cheguei em cima da hora; só tive tempo suficiente para entrar no elevador, chegar em casa e ligar a TV. Nessa hora, Liel fazia o primeiro gol do CAP no Paulistão. Talvez o pé frio daquele Boteco 122 fosse o Campos. Pensei exatamente isso enquanto mandava whatsapp informando o placar final da partida quando ele já estava embarcando.

Um tempo depois foi o dia de ver meus dois times (Penapolense e Palmeiras) se enfrentando novamente. Dessa vez, não era o Campos que estava no Pacaembu comigo (ele foi na vitória do CAP por 3 a 2). Carina e Malu me fizeram companhia desta vez e viram o time ser derrotado por 1 a 0, com 10 jogadores durante boa parte do jogo. Confesso que esperava um pouco mais, acho que pela última partida entre os dois. O jogo também teve um sabor especial, eu sabia que era minha despedida do Penapolense “in loco” no ano e também dos jogos no Pacaembu por algum tempo. Era um até logo com cara de adeus.

Antes da mudança para Salvador, com o apartamento já vazio, sem geladeira, televisão ou qualquer outra coisa além de um notebook e dois colchões, acompanhei a vitória diante do Mogi Mirim no meu último dia oficial em São Paulo, com direito à minha mãe comemorando os gols e o final do jogo visto no Veloso pelo celular.

Já de casa nova e me adaptando ao estilo soteropolitano, foi a vez de torcer para que a NET instalasse a TV a cabo a tempo para acompanhar o jogo contra o São Bernardo. Inauguração do apê novo! E Eric, mostrando que não é vascaíno por acaso, mostrou todo seu pé frio e quando estava na porta, indo embora, viu Douglas Tanque fazer o gol da vitória; deu pra perceber que os ares baianos dariam sorte ao meu CAP.

Na partida contra o Santos, não esperava muita coisa: o time tinha altos e baixos e não empolgava. Com Manu e Gi em casa, vi o CAP fazer 2 a 1 e, com o coração na boca, fui para o ensaio da Timbalada. Me restou apenas acompanhar o resto do jogo pelo celular. A cada gol, uma comemoração no meio do show. As pessoas que estavam perto provavelmente não entenderam nada, mas o fato é que o time estava embalando e provavelmente pegaria de novo o São Paulo nas quartas de final do Paulistão.

No confronto contra o Corinthians, na penúltima rodada, foi a vez de sacanear Cris e Edimário e tirar onda com os torcedores do Timão, que acabou fora do Paulistão em pleno Tenentão com direito a gritos de “eliminado” no final do jogo. Algo surreal de se imaginar até pouco tempo atrás, mas que aumentou consideravelmente a vontade de pegar um avião direto para o estádio.

Depois da derrota injusta em 2013, novamente Penapolense e São Paulo se enfrentaram nas quartas-de-final. Dessa vez, a decisão foi nos pênaltis e brilhou a estrela do goleiro Samuel – que de 3° goleiro no começo da temporada, passou a titular absoluto. Nesse jogo, um filme passou pela minha cabeça: lembrei dos avós que perdi ano passado e que eram torcedores doentes do CAP, mas que tinham um carinho grande pelo São Paulo. Nas disputas dos pênaltis, apelei para escapulário e fitinha do Senhor do Bonfim. E deu resultado: Penapolense classificado pela primeira vez para a semifinal do Paulistão; talvez o meu momento mais feliz, futebolisticamente falando. Como disse Eric: foi o dia do “carnaval de um homem só em Salvador.”

E como sonhar nunca custou nada, a semifinal diante do Santos era histórica por si só, mas ganhou contornos mais surreais depois do apito do intervalo. Primeiro o gol de Cicero no chute que desviou e acabou matando o goleiro Samuel. Depois, a virada do CAP: primeiro com Guaru de pênalti e depois com Douglas Tanque, deixando 60 mil pessoas de uma cidade “escondida” felizes por pelo menos 45 minutos. A virada do Santos acabou acontecendo e o sonho de disputar uma final do Paulistão foi adiado, não sei por quanto tempo, mas a cada partida, o amor pelo clube aumenta e a vontade de ver a cidade cada vez mais orgulhosa pelo seu time também.

E, para coroar o primeiro semestre, com a vitória do Ituano, o título de Campeão do Interior foi mais do que merecido; não pelos altos e baixos da primeira fase, mas pela superação e futebol apresentados no mata-mata.

Valeu CAP, que venha a Série D!