[CRÔNICA]: CAP: nós nunca vamos te abandonar!

11124113_10205233541012364_182499085_n

Esse é o sentimento de todo capeano! Vai CAP, nós nunca vamos desistir de você. (Foto: Reprodução)

Passei quase um dia inteiro pensando no que escrever sobre o que vivemos ontem, digo no plural, pois sei que não fui o único que sentiu o rebaixamento do CAP.  Não senti simplesmente pelo fato de voltar à segunda divisão, mas pela forma que foi, com erros atrás de erros, com egos sendo maiores que o time.

E pensar que a pouco mais de um ano, escrevia nesse mesmo blog sobre a imensa felicidade de vencer o São Paulo no Morumbi e chegar pela primeira vez numa semifinal do Paulistão. Podia também lembrar do jogo contra o Palmeiras no Pacaembu, que fui com um amigo, ou contra o Corinthians em 2013, que também aconteceu no Pacaembu – praticamente o quintal da minha casa na capital paulista.

Mas prefiro falar sobre a minha ligação com o time, que começou bem antes disso, começou na Série B2, quando o time contava com Damásio, André Cunha (aquele mesmo), André Liranço e Julinho… aquele time que foi eliminado no Tenentão diante do Jabaquara depois que Luizão entregou a bola nos pés do time santista que tinha a dupla de ataque “Tom & Jerry”. Passa também pela eliminação contra o Oeste, com Torrinha perdendo pênalti com “goleiro-linha” no final da partida em Prudente e depois o quase contra o Osvaldo Cruz, com o gol no finalzinho.

Mas a ligação não diminuiu, na verdade aumentou, foram nesses momentos que a cidade e os verdadeiros apaixonados se uniram e continuaram acompanhar o time, seja no estádio, seja pela Rádio Difusora de Penápolis – por muitos anos, a única forma de acompanhar as partidas. Depois de tanto sofrimento, veio o título da Série A3, e logo em seguida, o acesso na A2, naquele jogo diante do Red Bull, em Campinas, com uma caravana de ônibus saindo de Penápolis. Mas tudo isso não mudou o amor que tenho pelo clube, não mudou o que o verdadeiro torcedor capeano tem pelo clube.

E nesse cenário todo, foi vendo o CAP jogar que resolvi que seria jornalista e que trabalharia por esporte, foi ele que faz eu tomar um rumo profissional, e quis o destino, que no dia mais triste da história do clube nos últimos anos eu estivesse tão longe. Da mesma forma que fiz um “carnaval de um homem só” em 2014, em 2015, fiquei de luto sozinho, sem reclamar, apenas relembrando e sentindo saudade de muitas tardes de domingo, ou das manhã, quando acordava cedo para ouvir o jogo pelo rádio e “discutir” futebol no almoço de família.

E é por isso que sinto tanto esse rebaixamento, porque sei que meus dois velhinhos que estão no céu, não mereciam esse desgosto com o time do coração rebaixado depois de uma campanha patética. Talvez se eles tivessem por aqui, acho que teriam uma teoria, um motivo, ou pelo menos uma palavra de conforto para aliviar essa tristeza. Sei que em algum lugar do céu, a quarta-feira e a quinta-feira foram das mais triste, mas como já vi nos dois casos, quando menos se espera, é que as pessoas dão a volta por cima. As pessoas tem o dom de “nascer” de novo, e minha vó não me deixa mentir, e foi nessa nova vida que ela viu o CAP reviver, crescer e ser destaque, foi nessa nova vida, que ela sorriu a cada vitória e xingou a cada derrota, mas ninguém melhor que ela pra mostrar que nunca podemos nos dar por vencido e nem desistir da nossa “batalha” diária.

Do outro lado, meu avô também viu o time quase subir, participou da diretoria e depois viu o time que tinha o estádio na sua rua, ficar muito tempo parado. Teve tempo de ver o time crescer, subir, disputar a primeira divisão, vencer times grandes e viu o estádio “apertadinho” ganhar novos lugares e foi lá que ele fez uma das últimas visitas em vida, já numa cadeira de roda, mas feliz de ver o estádio crescendo e a cidade abraçando aquele clube. O que aconteceu no Tenentão em 08 de abril de 2015 vai ficar pra sempre na história do CAP, resta aos verdadeiros apaixonados pelo clube, se unirem e como das outras vezes, fazer o time voltar à elite e brilhar, dando orgulho a cada capeano espalhado por esse globo terrestre, e em alguns casos, em outros planos que não são os terrenos.

Dizem que a gente aprende nos erros, então que o ocorrido sirva de lição e que muito em breve, o CAP volte e todo capeano possa gritar e comemorar no Tenentão lotado.

Seja na primeira, na segunda ou na terceira divisão, uma coisa eu tenho certeza, CAP EU TE AMO! E meu CAP, eu não espero nada que não seja, te ver em campo e poder de novo gritar: “Vamo ganhar CAP!”.

E a crônica do acesso em 2012 pode mostrar um pouco do que esse time representa pra essa cidade pequena, mas que tem um amor gigante pelo time que tem suas cores. Vale conferir de novo:

Anúncios

Ainda sem vencer, Penapolense perde para o São Bernardo por 1 a 0

Jogando no estádio Tenente Carriço, Penapolense e São Bernardo fizeram um jogo equilibrado pela abertura da rodada do Campeonato Paulista. Com poucas chances na primeira etapa, o time do ABC aproveitou um pênalti marcado e abriu o placar com Lúcio Flávio.

Na segunda parte do jogo, o técnico Narciso colocou o time no ataque, mas ainda esbarrou na forte marcação dos visitantes que seguraram o placar, apesar da pressão do time da casa.

Cavadinha e vantagem pro Bernô

Jogando em casa, o Penapolense partiu para o ataque desde o começo da partida, mas mesmo com três alterações – Dimba no lugar de Diego Rosa, Fernando no lugar de Washington e Bruno Smith no lugar de Wellington Bruno – o time continuou tendo problemas com a armação das jogadas.

Com o São Bernardo jogando fechado e apostando nos contra-ataques, o time visitante chegou a dominar o primeiro tempo e teve algumas chances de abrir o marcado.

Em um desses contra-ataques, Lúcio Flávio sofreu um pênalti, cobrou e abriu o placar do time visitante, fazendo 1 a 0 no final da primeira etapa.

Penapolense aperta, mas gol não sai

Com duas mudanças logo de cara, Diego Rosa e Washington nos lugares de Gilmak e Bruno Smith, o técnico Narciso mostrou que o Penapolense partiria em busca do empate desde o primeiro minuto.

Já o time visitante se fechou ainda mais e buscava decidir a partida em contra-ataques, principalmente com Vanger.

A chance mais clara do CAP surgiu com Crislan, que recebeu na área e bateu forte, no canto, mas o goleiro Daniel fez ótima defesa e salvou o time do ABC.

No final da partida, em um bate e rebate dentro da área, Crislan reclamou um pênalti não marcado e recebeu cartão amarelo.

Após o apito final, o atacante foi reclamar com o árbitro e acabou expulso e é desfalque para a próxima partida diante do Mogi Mirim, fora de casa.

Classificação e próximo jogo

Com a vitória, o São Bernardo se mantém em terceiro lugar no Grupo A, com 7 pontos, 1 a menos que o Mogi – segundo colocado.

Já o Penapolense caiu para o quarto lugar do Grupo D, com os mesmo 2 pontos do Capivariano.

Na quinta rodada, o São Bernardo recebe o Santos, no estádio 1º de Maio, no próximo sábado, às 17h. Já o Penapolense só volta a campo na quarta-feira de cinzas, dia 18, contra o Mogi Mirim, fora de casa.

Narciso é demitido, PC Gusmão deve assumir

Depois da quarta rodada, o time de Penápolis demitiu o técnico Narciso e está perto de contratar PC Gusmão – Marcelo Martelotte é um nome que correr por fora. O próximo treinador deve estrear na próxima quarta-feira, diante do Mogi Mirim.

Nos acréscimos, Penapolense garante o empate com o Red Bull Brasil

Divulgação/Red Bull Brasil

Crislan empata a partida aos 46 minutos do segundo tempo (Divulgação/Red Bull Brasil)

O Penapolense conseguiu seu primeiro ponto no Paulistão depois de empatar com o Red Bull Brasil em Campinas. O jogo foi disputado com muita marcação e lances “sem querer” que decidiram o placar.

Depois de um primeiro tempo com muita marcação e poucas chances de gol, o Red Bull saiu na frente com a cobrança de falta de Jonas, que cruzou na área e contou com ajuda do goleiro Leandro Santos, que acabou encoberto, e viu o Toro Loko abrir o placar.

Na segunda etapa, o Penapolense partiu para o ataque e deu espaço para o Red Bull usar o contra-ataque a seu favor. Nos acréscimos, Anderson Marques cortou a bola com a mão, o árbitro marcou pênalti e Crislan empatou a partida.

Muita marcação e gol sem querer

O jogo começou com uma chance clara do Red Bull – um gol perdido por Isac, depois de ótimo lançamento de Jocinei, com 1 minuto de jogo, o chute saiu mascado – e foi um dos únicos lances de perigo da primeira etapa.

Com muitos erros de passe e pouca inspiração de seus camisas 10, os dois times levaram pouco perigo aos goleiros.

A história do jogo começou a mudar aos 24 minutos, quando Jonas cobrou falta, surpreendendo o goleiro Leandro Santos e abrindo o placar para o Red Bull. Depois do gol, o time de Campinas preferiu esperar o Penapolense e partir nos contra-ataques. A única chance do Penapolense no primeiro tempo veio aos 42 minutos, quando Diego Rosa recebeu dentro da área e bateu por cima do gol de Juninho.

Pênalti polêmico e empate nos acréscimos

No segundo tempo, o cansaço apareceu e as duas equipes deram mais espaços ao adversário. O Penapolense começou arriscando de longe e o Red Bull buscava a velocidade nos contra-ataques para ampliar o placar. E o time de Campinas teve duas chances claras, primeiro com Fabiano Eller e depois com Isac.

Depois da pressão do time da casa, o CAP saiu para o jogo e quase empatou duas vezes, primeiro com o zagueiro Jaílton de cabeça e depois com Crislan de bicicleta.

Quando parecia que o Red Bull manteria os 100% de aproveitamento, o lateral João Lucas mandou a bola para a área e o árbitro viu um toque de mão de Anderson Marques e assinalou o pênalti para o Penapolense. Na cobrança, Crislan bateu e empatou, dando números finais ao jogo.

Com o empate, o Red Bull chegou aos 4 pontos e é vice líder do Grupo A, já o Penapolense marcou seu primeiro ponto e é o 3º colocado do Grupo D.

Próximos jogos

Os dois times voltam à campo nesse final de semana, o Penapolense recebe o Ituano, no sábado, às 17 horas. Já o Red Bull Brasil encara o Santos, em São José do Rio Preto, no domingo, às 19h30.

Ficha Técnica

Red Bull Brasil: Juninho; Jonas, Anderson Marques, Fabiano Eller e Romário; Andrade, Jocinei, Lulinha (Allan Dias) e Everton Silva (Wilson Junior); Raul e Isac (Edmilson).

Técnico: Maurício Barbieri

Penapolense: Leandro Santos; Arnaldo, Gualberto, Jailton e João Lucas; Gilmak, Washington (Roni), Wellington Bruno e Rafael Costa (Fernando); Crislan e Diego Rosa (Dimba).

Técnico: Narciso

Penapolense empata com o Atlético Sorocaba e deixa escapar a chance de ser líder

Neste domingo, Penapolense e Atlético Sorocaba – que conseguiram o acesso para a elite em 2012 – se enfrentaram e ficaram no empate em 1 a 1, jogando no Tenente Carriço, em Penápolis.

O time de Penápolis precisava vencer para encostar nos líderes, já o Atlético Sorocaba buscava uma vaga no G8 e “fugir” da zona do rebaixamento. O empate acabou por “derrubar” a campanha 100% do Penapolense em casa.

O jogo começou com o CAP atacando e buscando o gol desde o começo, com apoio de mais de 1100 pagantes. Aos 15 minutos, Marcelo Moretto errou na saída de bola e Guaru foi até a linha de fundo e cruzou para Silvinho, de primeira, fazer 1 a 0 para o Penapolense – que naquele momento era líder do Paulistão.

Mas o gostinho de ser líder novamente durou apenas 12 minutos, aos 27, Gérson antecipou a zaga e fez o gol de empate da equipe de Sorocaba.

No segundo tempo, o Atlético Sorocaba voltou melhor e criou boas chances logo depois do intervalo, primeiro com Carlinhos e depois com Rai. O Penapolense respondeu com Guaru que ao invés de cruzar bateu direto para o gol, quase enganando o goleiro adversário.

No final da partida, o Atlético Sorocaba quase conseguiu a virada, primeiro com Misael que chutou para defesa de Roni, no rebote, Jorge Preá chutou na trave e perdeu a chance de conquistar os três pontos.

Com o empate, o Penapolense chegou aos 13 pontos, dois a menos que a líder Ponte Preta. No próximo domingo, o CAP vai até Itápolis enfrentar o Oeste, às 19h30.

Fora de casa, Penapolense perde para a Ponte Preta

O Penapolense buscava a 3ª vitória seguida para assumir a liderança provisória do Paulistão 2013, mas acabou sendo derrotado pela Ponte Preta por 2 a 0. Com o resultado, a Ponte assumiu a liderança provisória, com 13 pontos, enquanto isso, o CAP ficou em 4º lugar com nove pontos.

O jogo começou com as duas equipes correndo muito e buscando abrir o placar logo no começo da partida. Guarú e Silvinho foram os principais nomes do time na primeira etapa, Ramírez e William deram trabalho para os zagueiros de Penápolis. Mas o placar no primeiro tempo ficou mesmo em 0 a 0.

No segundo tempo, a Ponte Preta voltou melhor e pressionou mais, já que o Penapolense foi ao ataque e deixou espaços para o time da casa. E os resultados desses espaços surgiram aos 15 minutos, depois de cobrança de falta, William subiu, antecipou o goleiro Marcelo e fez 1 a 0 para a Macaca. O segundo gol foi aos 32 minutos, uma boa jogada entre Alemão e Diego Rosa que haviam acabado de entrar terminou com um belo chute do meia, fazendo 2 a 0.

Na próxima rodada, o Penapolense recebe o União Barbarense, no Tenente Carriço, às 5 da tarde.

No primeiro amistoso de 2013, Penapolense vence Monte Azul

Jogando nesta terça-feira, o Penapolense venceu o Monte Azul por 2 a 0, com gols de Guaru e Viola. A partida faz parte da preparação da equipe de Penápolis para a estreia na elite do Paulistão, já o Monte Azul se prepara para a disputar da Série A2 e tentar voltar à primeira divisão estadual.

Como se tratava de um jogo amistoso, não havia número limite para substituições. E apesar do jogo ser apenas “preparatório”, dois atletas acabaram sendo expulsos por reclamação: Jean Pablo (Monte Azul) e Anderson Carvalho (Penapolense).

O Penapolense abriu o placar aos 20 minutos do primeiro tempo com Guaru, que marcou após cobrança de pênalti. Aos 28 minutos, o time chegou ao 2º gol, depois de boa jogada pela direita, Fio tocou para Viola marcar.

No segundo tempo, os times voltaram com várias mudanças, mas o placar continuou o  mesmo, 2 a 0 para o Penapolense.

O time volta a campo na quinta-feira, às 19 horas, para enfrentar o Noroeste de Bauru, também no estádio municipal Tenente Carriço.

O valor do ingresso será R$ 10, e os torcedores que compraram o “passaporte” para os 9 jogos do Paulistão terão entrada gratuita.

Ficha técnica
Penapolense: Marcelo, Luís Felipe (Alex), Jaílton (Perez), Gualberto (Biro) e Rodrigo Biro; Liel (Denis), Anderson Carvalho (Fernando), Neto (Luciano Gigante) e Guaru (Daniel); Viola (Francismar) e Fio (Danilo). Téc. Edison Só.

Monte Azul: André Luís, Marcelo Ferreira (Fábio), Robson, Jean Pablo (Pit) e Flávio; Alex (Denis Willian), Marcelo Godri (Jadson), Tiago Carpini (Betão) e Juca (Daniel); Wellington (Pablo) e Anderson Ataíde (Everton Sena). Téc. Betão Alcântara.

Penapolense fará 3 amistosos esta semana

A equipe principal do Clube Atlético Penapolense fará 3 amistosos essa semana, para buscar um melhor entrosamento para o Paulistão 2013, que começa no próximo dia 19 de janeiro.

A primeira partida da “série” será amanhã (terça-feira), às 16 horas, no estádio municipal Tenente Carriço, diante do Monte Azul – que disputa a Série A2 do Paulistão.

O time volta a campo na quinta-feira, às 19 horas, para enfrentar o Noroeste de Bauru (que disputa a Série A2 do Paulistão). E o último compromisso será sábado, às 16 horas, diante do Novorizontino (que disputa a Série A3 do Paulistão). Todos os jogos serão no Tenentão.

Para as partidas contra Monte Azul e Novorizontino, a entrada será um quilo de alimento não perecível. Já para o confronto com o Noroeste, a entrada custará R$ 10 – os torcedores que compraram o “passaporte” para os 9 jogos em casa no Paulistão terão a entrada gratuita.

Os amistosos devem ser os últimos antes da estreia do time no Paulistão, contra o Ituano, no Tenentão.